quarta-feira, 12 de abril de 2017

[SERIES] PUNHO DE FERRO [parte I] (ou quem é Danny Rand?)



A campanha de marketing da Netflix para a série do último dos Defensores girava em torno do teaser "Quem é Danny Rand?". Inicialmente eu pensei que esse fosse a chamada para o público, tipo "assista e conheça Danny Rand". Mas não, era uma pergunta de verdade porque aparentemente a Netflix não faz a mais remota ideia de quem seja o rapaz que nunca precisa usar o celular como lanterna.


Claire is full your hero shit, heroes
Talvez a produção tenha sido apressada, talvez o orçamento simplesmente não estava lá para dar a muitos de nós a série que estávamos procurando, talvez tenha sido uma decisão criativa deliberada - há muitos "talvez" aqui, embora a triste realidade é que um dos piores elementos de Iron Fist é o próprio protagonista, Danny Rand (interpretado por Finn Jones).

Este é um ponto discutível, é claro, mas fiquei com a sensação de que há mais do que apenas algumas coisas que se destacam em Iron Fist como sendo, vamos colocar educadamente, menos do que ideais. Mas o maior de todos os problemas é que a série nunca descobriu quem Danny era como personagem e aparentemente tentou descobrir enquanto a série rolava ao invés de ter parado e decidido isso antes do programa começar

DANNY RAND #1 - Paz e amor, bicho!

Quando Danny aparece em sua primeira cena, parecia que ele seria o alivio comico do seu próprio show. O que não é uma coisa ruim. Descalço em Nova York e um tanto quanto hippie, Danny estava de boa vivendo no parque enquanto esperava Joy e Ward Meachum aceita-lo como o bilhonário Danny Rand que desapareceu em um acidente de avião no Himalaia a 15 anos e foi dado como morto. 

Esse Danny Rand é um sujeito de bom coração, mas também um pouco arrogante, totalmente inconsciente do verdadeiro impacto que sua ressurreição faria. Ok, isso é algo com que podemos trabalhar. Ele foi criado desde os dez anos de idade por monges, é ok que ele seja meio sem noção da realidade. Mas também aprendeu a ser todo zen e alinhar seu "chi" para não ficar sobrecarregado com emoções negativas. Esse é Danny # 1. 

Você tem que ser um floquinho de neve especial,
né Danny?
DANNY RAND #2 - As vozes na minha cabeça!

Oh, espera... Como se vê agora, parece que na verdade Danny é TODO emoção. Tanta emoção, na verdade, que seu cérebro dá pau quando ele pensa sobre qualquer memória antiga. Ele literalmente segura sua cabeça e se encolhe quando experimenta lembranças ruins como se ele tivesse um chip da Iniciativa igual ao que colocaram no Spike e ele tentou empurrar uma criancinha para tomar seu lugar na fila do sorvete.

Alguém realmente poderia pensar que ele tem um tumor ou um microchip implantado na sua cabeça pela a maneira como ele tem espasmos e surta. Ele é uma bomba-relógio emocional, apesar dos quinze anos de treinamento para ser um guerreiro calmo e estóico. Esse é o Danny # 2. 

DANNY RAND #3 - Thor de baixo orçamento

Danny também está completamente alheio a como ele foi recebido. Não diferente do Thor em sua primeira visita a Terra, Danny não tem nenhum problema em se tornar público, fazendo um espetáculo de si mesmo, e dizendo praticamente qualquer um que demorar demais perto dele que ele é o guardião sagrado de um monastério celestial super secreto chamado K'un -Lun - um paraíso monge inter-dimensional onde ele aparentemente passou os últimos quinze anos aprendendo a nunca sentir frio. 

Apesar de ser um rapaz inteligente, em nenhum momento lhe ocorre que algumas pessoas podem não aceitar essa explicação de cidades interdimensionais que só aparecem a cada dez anos.

Então sim, às vezes ele não é obtuso e tem muito bom senso para entender as pessoas. E as vezes ele puxava um 180 e senta em cima do seu livrinho de verdades prontas se tornando um guerreiro denso com a flexibilidade empática de um eleitor do Bolsonaro. O problema é que a série nunca estabelece qual é o verdadeiro Danny ou se há um padrão para essa oscilação de visão de mundo. Meio que muda conforme for mais conveniente escrever a cena. Esse é o Danny # 3.

Isso... explicaria muito, na verdade...

DANNY RAND #4 - Quero ser grande!

Um elemento de série que poderia ter sido transformado em algo interessante, ou mesmo engraçado aqui e ali, é o fato de que Danny também tem 10 anos de idade. Ou algo assim. Como ele passou 15 anos sem nenhuma experiência social com o mundo moderno ele tem a mente do menino e o corpo de um adulto. Ele é Josh Baskin de "Quero ser grande" se o Tom Hanks ocasionalmente pudesse fazer sua mão brilhar. 

Seu tempo afastado no Himalaia mais ou menos pausou seu crescimento emocional. Faz sentido, e certamente poderia ter ser uma abordagem interessante para um super-herói - mas principalmente, dar-lhe diferente para contribuir para os Defensores. Mas em vez desta característica ser totalmente explorada, ou lembrada as vezes, Danny pega disso apenas ser petulante e birrento, sem muita noção ou auto-consciência. 

Ele sempre acredita em tudo que todos lhe dizem - até que alguém lhe diga algo diferente. Ele teimosamente exige coisas e depois se pergunta por que as pessoas se afastam dele. Não demora muito tempo antes de você se sentir mal por Joy e Ward, perguntando o que eles fizeram para merecer este filhote de cachorro mijando todo o seu tapete persa. Ou pelo coitado do Davos, que sonhou em ser o Punho de Ferro a vida toda enquanto o Danny ficou com o titulo apenas porque "sei lá, deu vontade, vai que desse um barato legal", como uma boa criança mimada que é. Ele diz isso mais ou menos com essas palavras alias. 

Esse é o Danny #4.

Essa... é uma ideia muito boa, na verdade
DANNY RAND #5 - O pior Punho de Ferro de todos os tempos!

Gao, Davos, e alguns outros personagens frequentemente fazem um ponto bastante real ao longo da temporada, ao constantemente dizer a Danny que ele é Punho de Ferro terrível. Inclusive tem uma sequencia que mostra um antigo Punho de Ferro de verdade lutando, e isso só ilustra o quanto Danny Rand é fraquinho no seu trabalho de protetor místico da cidade mística interdimensional. Agora, se eu sei alguma coisa sobre narrativa, isso é um arco, certo?

Essa é uma história de origem, e com alguma sorte, esperamos que até o final Danny talvez aprenda ... a não ser um punho de ferro horrível? 

Mas esse momento nunca chega. Ele se torna tão concentrado em vingar as mortes de seus pais (uma busca que faz você se sentir mal por ele querer isso, não torcer por ele) que a cena final do show não é sua redenção, é prova abjeta de suas falhas. 

Danny termina o show percebendo, mesmo que lhe tenha tenha sido dito muitas vezes, que ele é - wait for it - um Punho de Ferro horroroso. A série termina com Danny falhando miseravelmente na principal missão do Punho de Ferro, e pior ainda, aparentemente sem aprender nada com isso.

Eu não senti uma evolução no personagem, não senti que ele aprendeu nada realmente. Eu mal posso dizer que sei realmente quem ele é, porque com certeza o show não decidiu realmente. E isso é um problema muito grande.

Isso não tem relação alguma com a série, mas achei que seria bacana comentar

Vê, você consegue sentir a frustração do Matt com a zorra que é o crime na Cozinha do Inferno.
Você sente o trauma e a culpa da Jéssica pelo que aconteceu enquanto estava com o Killgrave.
Você consegue sentir a raiva do Luke após a morte do Pops.

Mas do Danny não dá para tirar nada realmente. Sua única motivação é vingança pessoal meio que ignorando todo o pessoal que criou ele pelos últimos quinze anos. E não é como se ele deliberadamente odiasse Kun Lun porque ele foi maltratado ou algo do tipo, é apenas algo que ele não dá a menor bola. Sabe o Luke Skywalker que ignora solenemente a família que o criou ser cabonizada mas fica abalado pela morte de um cara que ele conhecia a dois dias? Tipo isso.

Assim, e também sua outra resposta para tudo é dizer "Eu sou o Punho de Ferro", quando ele claramente não faz a menor ideia do que isso realmente significa. Verdade seja dita, não acho que os produtores da série tinham muita ideia do que qualquer coisa significa, porque é dificil passar 15 minutos sem um furo brochante de roteiro.

Logo no começo, se diz que Danny tem que levar umas porradas para encher a barra de rage evocar o Iron Fist ... essa idéia nunca mais é sequer mencionada depois dessa cena. Então nos dizem que ele não pode fazê-lo a menos que seu chi esteja centrado. Mas ele não sabe como centrar seu chi. Uau ... algum professor monge deixou isso passar, heim? 

Mas está tudo bem, porque ele de alguma forma recupera de qualquer maneira. E então perde... e as vezes funciona ou não, dependendo do que a cena precisa. Eu realmente fiquei confuso sobre quando ele pode usar o Punho de Ferro ou não.

Eu não tenho paciência para listar todos os furos de roteiro da série... mas aqui vai alguns - heroína sintética não é ilegal (nada é ilegal até que se faça uma lei dizendo que é, então uma droga que foi recem inventada não é contra a lei) ... mas os vilões têm que fazer isso em segredo. Mas então passa a ser ilegal, porque Ward é preso por posse. 

Nos  primeiros episódios Danny aparece com um iPod que ele tinha desde o acidente. Depois do choque de perceber que iPods realmente já tem mais de quinze anos no mercado, várias perguntas me ocorreram. Mas principalmente, onde ele carregou isso? Eles tem tomadas em Kun' Lun? Ou Nova York oferece carregadores para seus mendigos manterem seus gadgets ligados?
A Madame Gao tem um escritório no 13º andar. Ela é vista e seguida sem muita dificuldade... exceto que nos últimos 15 anos ninguém nunca percebeu um "andar secreto" em um dos prédios mais famosos de Nova York. Precisamos de um cofre secreto aberto, porque há um documento incriminador (estranhamente não destruído) no seu interior ... bem, imagino que o Punho de Ferro vai socar o metal, certo? Não, ele é aberto (e deixado aberto) por Meachum porque é também onde ele mantém a sua ... pistola. Sim. E nem sequer é uma arma especial nem nada. 

O tentáculo sabe onde todos vivem. Mas nunca ataque uma única casa ou dojo enquanto as pessoas estão dormindo, eles cavalheiramente só atacam quando tem pessoas ali que sabem se defender e estão perfeitamente preparadas. Claire, a pacifista, aprende Kung Fu o suficiente em uma semana para enfrentar assassinos do Tentáculo. 

E assim vai. Os furos da série vão muito além do nosso herói "peixe fora da água" que depois de anos no Himalaia não só sabe como usar  um smartphone, mas sabe que eles podem ser geo-localizados.

Mas bem, paz interior... agora que eu coloquei para fora o que me incomoda na série é hora de rebalancear meu chi e falar sobre as coisas boas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário