sábado, 1 de abril de 2017

[GAMES] YO NOID (NES) [AÇÃO GAMES 002]



Yo Noid é um jogo bastante interessante: em algum ponto de 1990 a rede de pizzarias Domino's chegou para a Capcom e comprou um jogo para fazer publicidade junto as crianças. Assim mesmo, pá-pum, abriu a carteira e "tó, faz ae!".

A Capcom of America então adaptou um jogo que existia somente no Japão (Kamen no Ninja Hanamaru), mudando os gráficos para ser um jogo sobre o mascote da Domino's. Que por acaso é um tiozão lá pelos seus 40 anos vestido de coelho que usa um ioio. O que poderia dar errado, não é mesmo?


Em primeiro lugar, eu gostaria de compartilhar o que eram os comerciais da Domino's para entender "quem" é o Noid, o herói do nosso jogo:



Basicamente o Noid é um maluco que quer sabotar a teleentrega de pizza de todo mundo e seu maior sonho é ferrar com as pizzas da Domino's mas nunca consegue porque elas são incriveis demais. É uma escolha publicitária... exótica... para dizer o minimo...

Seja como for, nós jogamos com o maior filha da puta da cidade (quem é que ferra com a pizza, cara? Isso é doente!) que teve... o seu bom nome jogado na lama porque uma gangue de impostores está o difamando e cabe a Noid agora lutar para restaurar sua honra como o verdadeiro sacaneador de pizza da cidade!

Me acompanhou até aqui? Em caso positivo, você está melhor que eu então, porque eu realmente me perdi na coisa de ter todo um exercito de tiozões vestidos de coelho lutando entre si para ver quem é o maior fodedor de pizza do pedaço. Hey Suzanne Collins, anota essa!

No original o ioio era uma águia que ia e voltava e os pergaminhos de magia...
ainda eram pergaminhos de magia, o que faz muito sentido afinal.
Seja como for, novamente, o manual de instruções do jogo vinha com um cupom de desconto da Domino's, então já era alguma coisa, certo?

Agora vamos falar do jogo, que felizmente possui o padrão Capcom de qualidade. Os gráficos são muito bons (para o NES), os personagens caricatos e com personalidade, a trilha sonora não é nenhum Duck Tales mas não faz nada feio. Um jogo bonito de se ver e se ouvir.

A jogabilidade também não desaponta: os controles são bastante responsivos, dá para desviar das coisas que jogam em você, o design das fases é muito bem feitinho, houve bastante esforço para diferenciar uma fase da outra, matar coisas com o seu ataque (um ioio, because WTF) é divertido. 

Por todos os méritos, Yo Noid! deveria ser um dos melhores jogos do Nintendinho. Exceto que a Capcom decidiu que não.

Porque é claro que a SEGUNDA fase tinha que ser a fase do
gelo. É claro.
O problema é que você não tem barra de energia, então qualquer dano é morte e deu. Para adicionar ofensa a injuria, você tem apenas três vidas e tchau, começa de novo! Ou seja, você tem apenas três chances para gabaritar todas as 20 fases do jogo. Ou seja, a única forma de terminar esse jogo é decorar todas as fases e onde todos os inimigos aparecem.

Embora verdade seja dita, nem isso ajuda muito na verdade...

Se o jogo ainda te permitisse ir devagar até seria viavel, mas além do limite de tempo existem várias fases onde o jogo só continua indo automáticamente para a direita (Mario tem algumas fases assim) e você tem que pular sem pensar muito no amanhã. Qual o problema disso? Bem, o problema é que o sistema de plataformas desse jogo é completamente bugado, Noid morre se não pular exatamente no meio da plataforma. O QUE?!

Sim, exatamente. Se você pular  e não cair exatamente no meiuco da plataforma, morreu. Morreu três vezes, começa de novo. Isso é de uma apelação tão desnecessária que chega a ser ofensivo!

Adicionalmente, alguns inimigos só morrem com 3-4 ataques. Você morre só com um. Quando eles vem pra cima de você, e depois da metade do jogo isso é bastante frequente, adivinha quem leva a pior?

Arpão vs ioio, a batalha do século
E assim vai, o jogo parece ser completamente autociente que você morre com o menor esbarrão e usa das técnicas mais baratas, pestilentas, arruaceiras e gato polar que existem para te matar. Tem uma fase de scroll automático, por exemplo, que você perde o seu ioio e tem que pular na cabeça dos inimigos para mata-los. Só que tem que ser bem no sprite do meio, senão já sabe, né?

Isso é o que realmente me incomoda nesse jogo: o jogo é bom. É ótimo até! A jogabilidade é deliciosa, ele não é curto demais, tudo nele funciona como deveria. Só que a Capcom estragou isso transformando ele no jogo mais desnecessariamente dificil e apelativo da história dos videogames. Sabe a fase das motos de Battletoads? Imagine um jogo inteiro que é só isso. Pois é.

Na boa véi, vão se foderem viu...

Ah sim, antes que eu esqueça, vamos falar sobre as batalhas contra os chefes

As batalhas contra os chefes na verdade são concursos de comer pizza... q
ue envolvem matemática? Mas oi?
Enquanto essas "batalhas" do chefe são únicas, elas não são tão divertidas. Isto é especialmente verdade mais tarde no jogo, quando você só consegue vencer o chefe se encontrou todos os cartões especiais escondidos em todas as etapas que antecederam o chefe.  

A maioria desses cartões só pode ser encontrada atacando o espaço vazio correto, o que faz esse cartão aparecer.  

Em outras palavras, a única maneira de terminar o jogo  é atacando cada espacinho do jogo do começo ao fim.

É claro, porque seria diferente, né?

Nenhum comentário:

Postar um comentário