sábado, 29 de abril de 2017

[AÇÃO GAMES 006] ROCKETEER (NES)



Ela arrumou a mala noite passada antes do vôo. Hora zero, nove da manhã eE eu estarei bem no alto - como uma pipa quando chegar lá. Ah, eu sinto tanta falta da Terra. Eu sinto saudades da minha esposa. É tão solitário no espaço, em um vôo tão eterno. E eu acho que vai levar muito, muito tempo até eu voltar mais uma vez e descobrir que eu não sou o homem que eles pensam que sou em casa 

Ah, não não não ... Eu sou o homem foguete ... Homem foguete ... Queimando meu fusível aqui em cima sozinho...



Quem nunca quis ser o homem foguete, não é?

Nada do que eu disser será  mais engraçado que essa cena já é
Ok, eu sei que o filme The Rocketeer da Disney não tem realmente ligação com a música do Elton John interpretada pelo William Shatner, mas sejamos honestos, quando mais eu teria uma chance de postar esse vídeo épico, né?

Enfim, antes do grande boom da Marvel e da DC... err... da Marvel no cinema, apenas quadrinhos obscuros eram adaptados para a tela grande. Tank Girl, The Shadow, Spawn e... The Rocketeer. É. Quando eu era criança eu tive pouco ou nenhum conhecimento dessa história em quadrinhos que que virou filme - o que não mudou quase trinta anos depois - mas o que eu sabia é que havia um filme sobre esse cara de capacete dourado vestindo uma jaqueta de couro com um jetpack nas costas, metendo bala em gângsteres e salvando o dia.

Outro hábito dos anos 90, além de adaptar quadrinhos não-mainstream para os cinemas, era fazer jogos pavorosamente ruins destes mesmos filmes. Ou de qualquer filme. A bola da vez vem na forma de um jogo NES publicado pela editora Bandai e desenvolvido pela Realtime Associates. Os feiticeiros que nos trouxeram o chatissimo "Capitão América e Os Vingadores" Oh boy, esse vai ser um dia daqueles, né?

Seguindo o enredo do filme de 1991 de mesmo nome, The Rocketeer coloca você no papel de seu piloto Cliff Secord que tropeça em um jet-pack experimental que chama a atenção de alguns personagens menos respeitáveis.

Sendo um jogo de NES, The Rocketeer elimina todas as menções aos nazistas que eram predominantes no filme, mas faz um trabalho bastante decente de contar os eventos do filme. Eu diria que é um daqueles raros casos que eles se deram ao trabalho de assistir o filme antes de fazer o jogo, porque não só as cutscenes estão presentes (bastante impressionantes para o NES) como as fases recontam as aventuras do nosso homem fogueteiro.

De qualquer forma estamos falando sobre um videogame a história não é realmente importante enquanto o jogo for bom, e The Rocketeer faz para a maior parte das coisas certo. Como a maioria dos jogos baseados em uma licença, este jogo é um 2-D side-scroller que tem todos os clichês do gênero: você se move da esquerda para a direita, soco e atira em bandidos, bem como robôs e salta em plataformas.

No filme, o personagem principal fica só com sua pistola de confiança, mas aqui Cliff tem um arsenal bastante pesado para usar. Começando você tem que confiar unicamente em seus punhos, mas depois de reunir algumas munições você pode percorrer uma quantidade decente de armas, batendo no botão select.

"Oh Cliff, não deviamos sair desse zepelim em
chamas antes de nos pegarmos bregamente?"
O que muda de uma arma para outra é basicamente o alcance dela e a quantidade de balas que ela usa - de modo que não tem muito motivo para usar outra coisa que senão a pistola que gasta menos balas mesmo. Além disso trocar de armas no select é um saco e você provavelmente vai ser acertado por algo enquanto fica apertando select para escolher a arma que quer

Vendo que este é um jogo de Rocketeer, a pergunta que de certeza está na mente de todos é: você usa o jet-pack? A resposta é sim, mas de uma forma um pouco limitada. Você só pode voar quando você tem combustível e alguns níveis nem sempre fornece. Você decola com um toque duplo no botão de salto e voar é surpreendentemente satisfatório. É muito gostoso passar a milhão por dezenas de inimigos que iriam levar vários minutos para passar, dizendo "até mais, otários!". É baseado em um filme dos anos 90, isso é o máximo que você vai ouvir de xingamento.

O design das fases não é ruim por qualquer padrão, apenas parece igual a monte de outros jogos deste tipo - que são muito melhores.

Até onde jogos de 8 btis vão, The Rocketeer é um bem mais justo que o comum, porém não é exatamente uma caminhada no parque. Você não tem vidas, mas você tem uma barra de vida bastante generosa e continues ilimitados, além de passwords de de nove dígitos que irá colocá-lo no início do último capítulo que você completou. Não há mortes por buraco, a única maneira real de morrer é perder toda a sua saúde. 

I'm a Rocket Man... Rocket Man...
Morrer não vai fazer voltar muito, então uma vez que você descobrir de onde os inimigos estão vindo e ter uma ideia do layout da fase você vai ficar bem. Rocketeer tem alguns chefes, mas eles são dos mais fáceis que eu encontrei em um jogo NES em um bom tempo. Eles vêm em uma das duas variedades: um onde você terá que voar para acerta-lo e matar capangas para recuperar seu combustivel (ou vida) para que você possa voar de novo para derrota-lo, ou um inimigo maior do que o normal você pode matar com alguns hits bem cronometrados. 

Enfim, não há muito a dizer sobre The Rocketeer além de que é um jogo bastante médio e típico do NES. No que diz respeito aos jogos baseados em filmes, é um dos melhores que não é de arrancar os cabelos de tão apelativamente difícil. É um jogo bonzinho com o padrão Disney de qualidade, mas não muito mais que isso também. Meio que como o filme.


Nenhum comentário:

Postar um comentário