sábado, 29 de abril de 2017

[AÇÃO GAMES 006] DECAP ATTACK (Mega Drive)



Como já diz o ditado: se não funcionar da primeira vez, tente, tente e tente novamente. Foi isso que a Vic Tokay fez, criando uma quadrilogia de três jogos (sim, está certo isso) ao longo de três videogames diferentes.


Taí um herói que empurra os problemas
com a barriga
A idéia da empresa era criar um jogo de plataforma em que seu power-up de energia extra fosse também sua arma. Nascia assim Kid Kool... um dos piores jogos da história do Nintendinho. E olha que esse videogame é abarrotado de jogos ruins, heim...

Mas enfim, qualquer um ficaria chateado, desmotivado, até mesmo desconsolado... mas não a Vic Tokay. Eles voltaram a bater nessa tecla, criando assim Psycho Fox para o Master Sistem. Eu já comentei sobre ele AQUI

Psycho Fox é infinitamente melhor que Kid Kool, mas como eu disse na época ainda é um jogo com seus próprios problemas apesar de suas boas ideias (algumas que inspiraram Sonic, afinal). Novamente a Vic Tokay tentava bater na mesma tecla sem sucesso, mesmo tendo falhado por pouco dessa vez.

"Third is the charm", como os gringos dizem. Assim em 1991 eles lançaram um jogo baseado no anime Magical Hat, consertando os problemas de Psycho Fox e agora sim a coisa foi! Magical Hat's Turbo Flight! Adventure é o jogo que Psycho Fox deveria ter sido, trazendo muita alegria a todos que o jogaram.


Bastava apenas portar para o ocidente... o que foi um problema, porque teria que pagar os direitos autorais para lançar baseado em um anime que ninguém conhecia. Assim a SEGA refez completamente o jogo, tomando doses cavalares de drogas no processo. Foi assim que nasceu Decap Attack.

O menu de opções oferece uma explicação do que os
itens fazem antes de usa-los. Parece algo bobo, mas é
tão raro em jogos dessa época... Vic Tokay sualinda!
Em Decap Attack, você joga com um múmia sem cabeça chamada Chuck D. Head (sacou? Hã? Hã?) que foi criada pelo Dr. Frank N. Stein (pegou a piada?) para ir atrás do demônio do submundo Max D. Cap (Tá, Vic Tokai, já deu de trocadilhos!). 

O mundo se parece com uma versão boba de em Halloweentown de The Nightmare Before Christmas e parece ótimo mesmo agora. Os inimigos normais são bastante padrão para este tipo de jogo e funcionam bem. Até mesmo a trilha sonora é incrível, o que diz muito já que o Gênesis nunca foi tão forte no departamento de áudio. 

A jogabilidade é simples e comum para plataformas de 16 bits, mas funciona muito bem. Os inimigos podem ser pisoteados (com as óbvias exceções sendo inimigos com espinhos nas costas), ou eles podem ser cabeceados com o estomago de Chuck que tem um rosto ... eu mencionei que eles tomaram muitas dorgas para fazer esse jogo? Chuck também pode coletar crânios que fazem as vezes do passarinho Bird Fly, podendo ser jogados como arma mas fornecem proteção para evitar morrer com um hit. 

Cada nível tem três estágios com uma luta de chefe no final da terceira fase, mas você tem que encontrar um item especifico antes de terminar a fase. Assim você precisa explorar toda a fase, não é só correr como louco. Mas fique tranquilo: o jogo lembra do seu progresso, e mesmo que você morra depois de matar o chefe é só pegar o item e sair. Justo, não?

Pula pirata com o estomago. Acho que nem o 4chan
tem uma palavra pra isso...
A jogabilidade é muito mais gratificante do que em Kid Kool, com certeza, e muito melhor que Psycho Fox também. Há um par de esqueletos no armário deste jogo aqui, entretanto. Nada que estrague a experiencia de um jogo de plataforma muito bom, mas pequenos nitpicks.

O pior deles é que não existe checkpoints no meio da fase. Nada muito desesperador já que o jogo te dá energia o suficiente para se virar, mas seria confortavel, mas perto do jogo. O jogo também lembra quais itens você já pegou, então mesmo que você morra os power-ups não voltam. 

De qualquer forma, os pulos são maravilhosos  e a velocidade do jogo é apenas ideal (os maiors problemas de Psycho Fox). Decap Attack não é só uma das jóias escondidas do Gênesis, é um dos melhores jogos de plataforma que eu já joguei. A Vic Tokai pegou seu conceito inicial e o refinou para criar uma quase obra-prima. Se eles tentassem refiná-lo mais, provavelmente teriam cagado a coisa toda. É uma boa coisa que eles tenham parado antes de perder a cabeça. (desculpe, eu não poderia evitar esse último trocadilho.) 


Nenhum comentário:

Postar um comentário