sexta-feira, 14 de abril de 2017

[AÇÃO GAMES 004] PSYCHO FOX (Master System)

O texto da capa é muito bom, pena que foi alterado pela Tec Toy na versão BR


Uma das coisas mais difíceis de ser criança nos anos 80 foi ter ganho um Master System ao invés de um dos clones do Nintendinho. De toda a biblioteca dos jogos daquela época aclamadas até hoje (Megaman, Metroid, Castlevania, Mario, Tartarugas Ninja, Final Fantasy, etc), nada disso saiu para o Master System. Ao invés disso os donos de Master tinham que se agarrar a dois ou três títulos que podiam "competir". A saber é Phantasy Star, Alex Kidd in Miracle World e Psycho Fox.

Vamos falar sobre esse último hoje.


O jogo tem um sistema de warp zones como Mario também
Psycho Fox usa muitas ideias de Mario e Alex Kidd, mas ao mesmo tempo  tem algumas ideias realmente boas, isso tem de ser dito. Para falar a verdade, tão boas que foram reaproveitadas em Sonic. Sim, Psycho Fox inspirou Sonic, viva com isso.

Mas vamos começar do começo: Psycho Fox é um jogo de plataforma em que você pode usar um item para alternar entre 4 personagens. Saca Mario 2? Então, tipo isso só que você pode mudar o personagem no meio da fase. 

Assim como Mario 2, cada personagem tem sua própria característica: o Tigre é mais rápido, o Macaco salta mais alto, o hipopotamo é lento mas quebra paredes e Psycho Fox é o padrão. Isso dá uma variedade muito interessante ao jogo... em teoria. Na prática vale mais a pena pegar um e ir com ele até o fim porque trocar através do menu de pausa é um saco. Considerando então que no Master System o botão de pause fica no console e não no controle (sério, SEGA, o que vocês estavam pensando?).

O design das fases é muito interessante: assim como os jogos do Sonic, ele é divido em níveis. Ir por cima é mais fácil, por baixo é mais difícil e pelo meio é... bem, pelo meio. Realmente é um level design muito bem pensado... em teoria. Na prática ele não funciona muito bem porque o que acontece é que você passa metade do jogo sem ver para onde estar indo. Não é raro você cair na água ou na cara de um inimigo e morrer. 

A paleta de cores é muito bonita e os gráficos bem detalhados
(para o Master System, isso é) mas sem muita variedade.
Você enfrenta inimigos estilosos, mas meio que repetidos
durante o jogo todo. O que é comum no Master System
Se Sonic conseguiu fazer isso de uma maneira fluída porque foi feito para o Mega Drive e com energia infinita, aqui o mesmo não pode ser dito e corre sem ver para onde está indo morrendo ao primeiro contato. Parece algo que vai dar certo? Pois é.

Falando em morrer, o jogo tem um sistema de energia/combate muito interessante. Você pode matar os inimigos pulando neles (como Mario) ou socando eles (como Alex Kidd) só que o soco da raposa psiquica e sua gangue é muito melhor que o do menino Alex (os que foram resenhados aqui, pelo menos). Existe ainda um terceiro tipo de ataque é o passarinho Bird Fly, que é o power up que você encontra pelo jogo.

O Bird Fly serve para duas coisas: usa-lo como arma, você o arremessa e ele volta, e como vida extra. Se você for atingido enquanto está com o Bird Fly você simplesmente perde ele se for atingido ao invés de morrer. É um sistema interessante... em teoria. Na prática... ok, isso é legal também na prática.

Psycho Fox é um misto de ideias boas e ruins, e seria de fato um excelente jogo de plataforma, não fosse um pequeno, minisculo, quase imperceptível detalhe: ele é horrível de se jogar. Tipo fisicamente doloroso mesmo.

Tá se sentindo em forma, magrão? Porque aqui você vai levantar
muito para ir até o videogame pausar para usar os itens e
trocar de personagem... mais uma vez, vsf SEGA!
Isso porque os criadores decidiram adicionar uma física de momentum aos saltos. Tá, e daí? Muitos jogos de plataforma fazem isso e é muito bom: pegue embalo para pular mais longe. Cool. Só que aqui não: o momentum é tudo no jogo. Se você não pegar embalo você simplesmente não sai do lugar pulando!

Sabe aqueles sonhos que o seu corpo é estremamnete pesado e não responde como deveria? Como se tivesse uma supergravidade prendendo ele no chão? Eu tenho esse tipo de sonho frequentemente e é horrível. Psycho Fox é uma versão em videogame disso, e não é menos horrível em videogame do que é nos sonhos. Sério, o jogo errou enormemente a física da movimentação e transformou toda a experiencia em um sofrimento arrastado.

O que é uma pena porque de outra forma Psycho Fox conseguiu misturar Mario com Alex Kidd (muitas vezes melhor que o original) e adicionar suas próprias ideias. Teria tudo para ser um grande jogo, não tivesse cagado no mais básico do básico que um jogo pode ter.

Ah sim, e antes de terminar: que porra foi esse final, heim?




Nenhum comentário:

Postar um comentário