sábado, 23 de abril de 2016

[FILMES] BATMAN V SUPERMAN: A ORIGEM DA JUSTIÇA (ou alguém corte o açucar desse menino)

Meio curto, mas bem mais realista
No começo dos anos 2000 a Marvel estava numa merda tão grande que faria o caixa da Petrobras parecer bom. Com efeito, o único motivo pelo qual a editora não fechou as portas foi porque fez uma rifa com os direitos de seus quadrinhos para os estúdios fazerem adaptações cinematográficas (e por isso a novela para conseguir o Homem-Aranha de volta, e o infame destino do Quarteto Fantástico). As coisas não estavam tranquilas e não estavam favoraveis para a gibiteca de Stan Lee.

Tudo isso mudou em 30 de abril de 2008, quando a Marvel lançou um filme de super heróis que - olha só - era divertido pacas. O herói era um personagem de segunda linha para os leigos em quadrinhos, um tal de Homem de Metal ou algo que o valha, mas o filme era tão gostozinho que levantou uma ideia no ar: e se os filmes de super heróis fossem, sei lá, divertidos de se assistir?

A ideia emplacou tão bem que a toda poderosa Disney comprou a Marvel e deu recursos infinitos aos seus líderes para gerarem mais dinheiro infinito com filmes, séries e se bobeasse, até quadrinhos. Todo mundo sabe essa história.

Agora imagine que a Marvel tem uma competidora no ramo dos quadrinhos, a DC Comics. Se a Marvel é a personificação da saga de Rocky Balboa que acredita que a vida é seguir em frente mesmo levando porrada, a DC é o seu primo rico que tem alguma dificuldade em entender o que "passar necessidade" significa.

Enquanto a Marvel teve que ralar sua bunda com heróis de segunda, terceira e até octagésima linha (Guardiões da Galaxia? Jessica Jones? Homem-Formiga? Quem?) a DC tem em seu arsenal os personagens mais populares da cultura nerd. Faça o teste: pergunte a sua mãe se ela já ouviu falar de Batman, Super Homem e Mulher Maravilha. Mas não vamos ficar só nos medalhões principais, pergunte também se ela já ouviu falar de Aquaman ou The Flash. Pois é.

Adicione a isso que a DC sempre passou muito bem com sua parceria com a não menos poderosa Time Warner, que nunca lhe deixou faltar nada.

Some a isso, ainda, que a DC não precisou dar a cara a tapa e pode simplesmente esperar a Marvel tentar e errar para ver o que funcionava e o que não funcionava nos cinemas. O elenco é excelente, o roteiro é sólido... Para a DC sim, estava tudo fácil, tudo favoravel.

Era só empurrar para o gol e sair para o abraço.

E de alguma forma, o resultado foi esse:



Como? Não, sério, apenas como?!?


O DIA EM QUE AS ESTRELAS ESTAVAM CERTAS

Vamos começar falando de Batman V Superman com uma das partes mais importantes de todas: o elenco é excelente. O elenco principal é muito bem escolhido apesar de todas as críticas prévias.

Se reclamava que Gal Gadot era muito fofinha e franzina para incorporar uma PRINCESA AMAZONA de cinco mil anos. Sua atuação é mais do que convincente, ela passa uma sensação de "molecada, a tia sabe o que está fazendo, esse não é o meu primeiro rodeio" e mais importante do que isso, ela se diverte lutando porque ela é uma fucking PRINCESA AMAZONA. Show de bola, nada a reclamar da Mulher Maravilha.

Se reclamava que Ben Affleck, bem, era o Ben Affleck depois do desastre que foi o filme do Demolidor - embora eu disse na época que a culpa não era dele. O resultado foi o melhor Batman que eu já vi num filme por um motivo muito simples que o Christian Bale (nem seu diretor) não entenderam: Bruce Wayne não é um cara normal que nas horas vagas decide ser herói. Não! Ele é completamente perturbado, ele é um cara que quarante anos depois nunca superou a morte dos pais e a única forma que ele tem para se sentir bem com isso é socar bandidos (alguns com super poderes) usando uma roupa de morcego! Esse cara não é normal, ele não tem que ser um playboy normal!

E a atuação de Ben Affleck entrega justamente isso: seu Bruce Wayne é obcecado. Ele não dorme, ele não come, ele não faz sexo: tudo na sua vida gira em torno de ser o Batman e da sua visão que o mundo inteiro é o beco escuro onde seus pais morreram. Mais de uma vez o Coringa lhe disse que o caveleiro das trevas era tão louco quanto ele, e não está errado. Ele apenas direciona isso para outro lado. Dá pra sentir isso no olhar entediado do Bruce Wayne de Ben Affleck e seu meio sorriso de "heh, bom pra você". Só não é o melhor Batman de todos os tempos porque melhor que o Batman Lego não tem como ser, né?

Por fim temos Henry Cavil que convence como o homem mais poderoso do universo. Sério, ele tem uma postura que deixa claro para quem quiser ver que simplesmente não adianta puxar briga com esse cara, ele é um Super Homem. Apenas não tente. Como Clark Kent ele não é nem de perto tão bom quanto Christopher Reeve, mas também dá para o gasto.

O material para forjar um excelente filme estava a disposição.

ESCRITO ERRADO POR LINHAS CERTAS

Se o elenco estava pronto, o roteiro também não era nada ruim. O principal era que o argumento do filme fazia sentido, era sólido. Minha maior preocupação é que realmente o filme fosse em cima do piti de "aimeldews, o Super Homão destruiu prédios enquanto SALVAVA O MUNDO, boohoo, totalmente queria que ele não tivesse feito isso!" porque sério, seria extremamente idiota.

O motivo para o Batman querer tretar com o Superman é na verdade bastante razoavel: ele é legal e tudo mais, mas basta apenas UM DIA RUIM na vida desse cara para a humanidade SER EXTINTA. "De boas, a gente entendeu que você fez aquilo e SALVOU O MUNDO, o problema NÃO É ESSE". Sério, se o chuveiro queimar, a Lois estiver de TPM e o chefe brigar com ele, babaus meu amigo. Talvez esse dia nunca chegue, verdade, mas a pergunta que realmente temos que fazer é: vale realmente a pena correr o risco?

Bruce Wayne cresceu numa cidade tão corrupta e suja que quase parece o Brasil, então a resposta é meio obvia sobre como ele pensa.

Esse é o argumento principal do filme e é bom, faz sentido! Bastava apenas desenvolver isso e adicionar subtramas, não era pra dar tão errado assim. A propria resolução do conflito entre os dois é de uma sacada genial: o Batman percebe que o Super Homem tem mãe. Por coincidencia, uma mãe com o mesmo nome da mãe dele e esse é o ponto da coisa toda: ele é só um cara. Ele não é o um sayajin enviado para destruir a Terra ou um alien que não entende sentimentos humanos, Super Homem é super, sim, mas também é um homem. Que tem mãe, que tem um emprego e que tem que esperar as séries sairem no Netflix como qualquer outro dos  seus 7 bilhões de coleguinhas. Ele é apenas humano (mesmo que não seja).

A sacada do roteiro é genial e o tamanho da sua esperteza só é comparavel com o desastre com que ela foi executada. Falemos agora do grande vilão dessa história, alguém que deixaria Darkseid com invejinha porque ele realmente conseguiu destruir o Super Homem. Vamos falar sobre Zack Snyder

"Peraí, você é um repórter que não sabe quem é o Bruce
Wayne? Caralho, e eu que sou o louco aqui!"
ZACK SNYDER NÃO ENTENDE O SUPER HOMEM

Sabe quem deveria ter dirigido os filmes do Homem de Aço? One. Quem diabos é One? Pouca gente sabe realmente: apenas os editores da Shonen Jump sabem seu verdadeiro nome, mas sabe-se que ele não gosta de pessoas e ter horror a dar entrevistas ou falar em publico.

"One" é o pseudonimo do cara que criou One Punch Man e ele entende o Super Homem mais do que Zack Snyder jamais vai entender em toda sua vida.

Vamos lá, qual é a essencial, qual a moral do personagem? O que faz o Super ser chamado de "Homem do Amanhã"? Claro, ele é indestrutível, tem super poderes e um penteado perfeito, mas na boa, metade dos personagens de quadrinhos tem isso. Tirando o penteado, o Hulk também tem isso (na verdade o Hulk é até mais forte e mais indestrutível que o último filho de Krypton), então porque o Hulk não é o maior herói do mundo?

Se ele quisesse, Clark Kent poderia rachar a Terra ao meio ou fazer da humanidade seu harém pessoal de novinhas e Nintendo DSs. Se ele quisesse, ele poderia escravizar, ou dizimar, ou obrigar toda humanidade a ouvir um podcast com todas as incoenrencias de roteiro da série do Flash. Se ele quisesse, ele poderia e NINGUÉM NO MUNDO INTEIRO poderia impedi-lo e ELE SABE DISSO. Se ele quisesse.

Ao invés disso, o que o homem mais poderoso do planeta inteiro faz com o seu tempo? Isso:


O Super Homem poderia ser qualquer coisa que ele quisesse, ele poderia ser um rei, ou um Deus. E ao invés disso ele escolheu nos ajudar. Não socando monstros ou desmantelando robos (ok, isso também), mas principalmente nos dando o exemplo, nos inspirando e mostrando o que realmente ser um herói significa. Não porque nós merecemos (certamente não por isso) mas apenas porque é o certo. Simples assim.


Vou sequestrar a mãe de um cara com visão de Raio-X e
superaudição e esconde-la na cidade dele para obriga-lo a
fazer o que eu quero. Ufufufu, o mesmo cara que encontrou
em meio segundo uma mulher no meio da África, que gênio
eu sou, ufufufu
É por isso que o Super Homem é o maior herói de todos.

E Zack Snyder não entendeu porra nenhuma do personagem. Tudo que ele vê é um brutamontes que pode dar muita porrada, e honestamente, ele não é nada melhor do que os moleques que não entendem que One Punch Man é uma paródia e ficam medindo o pinto do Saitama porque ele é mais foda que A ou B ou qualquer coisa idiota assim que é muito importante quando você tem 14 anos (embora eu admita que gostaria de ver uma luta entre o Saitama e o Koro-sensei, mas porque seria mais divertida do que qualquer outra coisa). A maioria das pessoas nunca passa dos 14 anos (o que é literal na Africa, mas estou falando mentalmente).

A única coisa que ele entendeu do Super Homem é que ele é um brucutu que tem que reproduzir quadros de Jesus toda cena que possível.

Mas pior do que isso, o Super de Zack Snyder parece sempre carruncudo e de saco cheio. Quando ele salva alguém ele olha com uma cara "pronto, salvei vocês DE NOVO SEUS MERDAS" porque na cabeça adolescente do Snyder o herói ser bom é muito cafona SEU COROA e como adolescente já sabe de tudo melhor que os adultos, ele deu uma "melhorada" no personagem para ele ficar mais DARKI E DU MAUUUU!

Aff, sério...

"Perae, perae, perae! Antes de sairmos na porrada
dá uma ajuda aqui que sequestraram a minha mãe e mãe é mãe
né cara?".
Pronto, acabou a motivação ultra bem construída
da treta no filme em duas frases.
Sabe qual a pior parte? Henry Cavil é ótimo quando ele está sendo humano e compaixonado, só ver as cenas dele com a Louis. Só que ele interrompe esses momentos pra "salvar aqueles BOSTAS MAIS UMA VEZ".

Não tenho a mais remota sombra de dúvida que o Doutor favorito dele seria o Tennant.

E se o azulão já recebeu uma "tunada" pra ficar DARKI E DU MAU, imagina então o coitado do Batman.

Porque obviamente na cabeça do Snyder o único motivo pelo qual o Batman não mata é por causa da censura e moralismo DESSES COROAS (sim, ele fala gritando para externar o quanto ele é um floquinho de neve especial). No filme dele o Batman é MUITO MAIS MANEIRO e mata todo mundo porque matar é SUPER MANEIRO e TOTALMENTE NÃO CARETA, COROA!

Sério, um dos plots do filme é que o Batman marca os criminosos com ferro quente para que eles sejam mortos na prisão pelos outros detentos. Mesmo. Eu não vou sequer me dar ao trabalho de explicar o quanto o Snyder não entendeu o Batman, ele não entendeu nada de nada sobre a vida.

Por um momento eu tive esperança quando é mostrado um cativeiro de tráfico humano invadido pelos policiais e a policia ouve os bandidos lá em cima gritando. Eu pensei "ah, eles estão gritando de MEDO de estarem sozinhos com o Batman, que massa, isso sim é o Batman!" mas não. Eles estavam gritando porque o Batman estava torturando eles. Aff...

Nesse filme o superpoder do Batman é puxar o maior número de armas ao mesmo tempo e matar a maior quantidade de gente possível. Mesmo o Justiceiro, que é o primeiro nome que pensamos quando o assunto é meter bala geral, tem um código: ele nunca sai matando indiscriminadamente e jamais mata alguém que ele não acha que mereceu. O Batman do Snyder não tá nem aí, COROA, ele mata dezenas de funcionários da Lexcorp que só estavam fazendo seu trabalho e NEM SABIAM O QUE TINHA NO CARREGAMENTO. Porra, vou repetir: o Batman mata os caras que NEM SABEM PORQUE ESTÃO MORRENDO.

E é o que eu sempre digo: eu não ligo a mínima que mudem o material original desde que ponham algo legal no lugar.

Ah, e sabe a icônica frase do trailer? Ele nem diz na cara do Superman na verdade. Ele diz pelas costas depois que o azulão já saiu. Além de tudo o Batman é um cuzão.

Sério, fico realmente feliz que a Mulher Maravilha não tenha tido tempo de tela suficiente para ser arruinada por esse mentecapto.

- Super, não usa a porra da lança de kryptonita pq tu também
fica vulnerável! Larga pra Mulher Maravilha que ela
nem sua!
- E dar pra uma mulher usar que nem é boa, recatada e do lar?
TREZENTOS E TRÊS

Zack Snyder fez seu nome como diretor ao dirigir uma adaptação de quadrinhos que funcionou ao que se propunha: 300. Era mais ou menos o equivalente a uma versão Live Action de Jojo Bizarre Adventure: um filme tão macho, mas tão macho, mas tão macho que ficou gay. Mas um gay fabuloso com muitas frases de efeito e câmera lenta. Ao que se propunha a fazer, foi uma experiência divertida.

Pouca gente sabe mas 300 tem uma sequencia que ninguém viu porque é muito ruim, e esse filme parece ser a terceira parte da trilogia.

Desde então Snyder repete sua pratica de "machão de 14 anos" a exaustão, e me surpreende o quanto esse filme é mal dirigido. Ou ele deixou o programa de edição aberto e o filme foi editado por seu filho de 4 anos depois do moleque ter uma overdose de açúcar, só isso explica.

Nenhuma cena tem mais que dois minutos e é muito difícil sequer entender o que está acontecendo. Sério, as cenas de ação do Michael Bay são ruins e difíceis de entender mas você faz ideia do que esta acontecendo (os robôs coloridos são bons e os cinzas são maus). Aqui nem isso, o filme inteiro parece um clipe de trash metal de um diretor que foi expulso do festival de Sundance.

Muitas cenas em filmes de ação, principalmente em filmes de super heróis, não fazem sentido quando você pensa melhor sobre elas, mas as cenas de BvS literalmente não fazem sentido algum do tipo de não entender o que está acontecendo na tela!

Em um filme, por exemplo, um personagem pode dizer: "Eu vou roubar essa frutaria!". E ele rouba uma loja que vende frutas. Depois, em casa, você pode se perguntar porque alguém roubaria uma frutaria de todas as coisas, e porque ele anunciaria isso alto. Mas na hora, no filme, funciona.

Na HQ o Cavaleiro das Trevas, que o Snyder e os fãs
DARQUI TREVOSOS do Batman tanto adoram, o
Superman é a única coisa na revista inteira que não é
cinza ou escura. Obviamente Zack Snyder considerou
isso um erro de edição e arrancou essas páginas das
revistas dele
Em BvS alguém diz "Eu vou roubar essa frutaria!", em tão entra na loja, atira uma fruta no ar, pinta as paredes com a fruta, foi tudo um sonho sobre a fruta na verdade, paga pela fruta, explode a frutaria e sai do meio dos escombros dizendo "Eu roubei a loja de verduras". Chamar a edição desse filme de amadora seria uma ofensa aos amadores.

Quer um exemplo?

Bem, temos a questão "Como Batman poderia possivelmente derrotar o Superhomem?". Ora, todo mundo sabe que a resposta óbvia (e não espere nada muito mais que o óbvio de um moleque crescido de 14 anos como Zack Snyder) é através de kryptonita. Certo? Ok, certo. Então como o Batman consegue Kryptonita?

Muito simples: ele rouba do Lex Luthor que subornou um senador dos EUA colocando um halls na boca dele (sério, isso realmente acontece). Lex colocou a kryptonita em um navio chamado Portugues Branco e não ocorreu ao Batman procurar nas bases de dados da Lexcorp um navio chamado Portugues Branco, ele estava literalmente procurando um cara chamado PORTUGUES BRANCO! Então ele acha a porra do navio e espera colocarem num caminhão, coloca um rastreador no caminhão... então PEGA O BATMOVEL (eu acho que era o Batmovel, a cena é taõ escura que poderia ter sido qualquer coisa na verdade) E ATROPELA E MATA TODO MUNDO FODA-SE O RASTREADOR LARILARILARILA. Enfim, ele rouba a kryptonita depois de matar metade do exercito particular da Lexcorpo mas AHA! Ele foi enganado porque o Luthor QUERIA que o Batman roubasse a Kryptonita para usar no Superman, já que o objetivo do Luthor era incriminar o superhomem e mata-lo por razão absolutamente nenhuma!

Se isso fez algum sentido para você, um médico deverá ser consultado.

Agora imagine que o paragrafo acima foi mostrado através de cenas de 2 minutos diluídas em 2 horas de filme sem ligação alguma com nada, algumas delas eram sonho, e outras tinha alguma coisa com explosões e coisas incompreensíveis na tela. Esse é o filme que BvS é.

E as cenas que não são aleatórias são idiotas. Sério mesmo que precisamos de mais uma cena de quinze minutos (e em camera lenta ainda) mostrando a morte dos pais do Batman? Sério mesmo que temos mesmo o Superhomem voando com a lança de kryptonita e se fodendo bonitaço porque, sei lá, não era trabalho de mulher entregar a porcaria para a Mulher Maravilha que era 0% afetada por kryptonita? Sério mesmo que a cena que o Batman entende que o Superman é "gente como a gente" foi tão corrida e mal dirigida que virou motivo de piada (até porque não faz sentido nenhum em um Batman que tá pouco cagando para a vida humana)? Sério que ÚNICA motivação do Clark no filme é "não mexe com a minha mãe/mulher"? Sério que o recurso brega de "salvar a mulherzinha em perigo" é usado QUATRO vezes durante o filme? Enfim, a lista é longa.

"Se tem 1% dele fuder com a gente, melhor estar preparado"
é um argumento aceitável para a treta. Mas o filme martela
o tempo todo que na verdade o problema do Bruce é porque
meia dúzia de funcionários continuaram trabalhando quando
uma nave alien esta escavando o chão a duas quadras de distancia
morreram pra causar um draminha pessoal barato.
E ENTÃO, LA PIECE DE RESISTANCE

Eu sei o que você está pensando agora. Exatamente o que está pensando: ok, a edição desse filme faz tanto sentido quanto os discursos dos deputados votando o Impeachment, então... COMO ELE PODERIA FICAR PIOR?

Ok, talvez você não tenha pensado isso, mas Zack Snyder certamente pensou, e pensou muito sobre isso. E então temos o Lex Luthor desse filme.

Pessoalmente eu não odeio o Jesse Eisenberg. Acho que de alguma forma o Luthor dele poderia funcionar como um bilhonário sociopata como o Zukemberg da Rede Social, mas invés disso tivemos... honestamente, eu não sei dizer o que tivemos. Não sei dizer o que foi aquilo, de verdade.

Ele não parece um ser humano vagamente funcional, tudo que eu entendi do personagem foi que ele tomou muito ecstasy com Red Bull e tem um sério problema com Deus, porque fala dele mais que deputado brasileiro. Mesmo o Coringa em suas encarnações mais abiloladas não é tão incoerente assim.

Para começar, a menos que o Lex tenha um aneurisma pressionando o cérebro dele, nada explica a sua motivação esquizofrênica. Mas nada mesmo, nem indicio de pista. Ele apenas quer que o Batman mate o superhomão porque banana não tem caroço - alias ouvindo ele falar você espera que ele diga isso com essas exatas palavras, não ficaria deslocado naquele personagem.

Mas caso  isso não funcione não tem problema porque ele tem um plano B: soltar um monstro que ele não tem a menor condição de controlar. Pois é, Lex Luthor soltando algo que ele não consegue controlar, nem o desenho da Liga da Justiça o safado do Snyder assistia.

Eu não vou entrar em detalhes de como ele "criou" o Apocalypse porque é tão non sense quanto idiota, se bem que a altura do filme que o orc genérico aparece você já tocou o foda-se mesmo e está olhando as horas no celular para ver quanto tempo falta para a desgraça acabar.

Luthor é o rei de fazer isso, mas nenhum personagem no filme fala como um ser humano normal na verdade. Basicamente a edição do Snyder é "se não for importante ao giga meta plot, corta fora" e todos os personagens saem lascando frases de efeito sem nem dar bom dia, o que dá um tom muito artificial e ruim as falas no filme.

Quando Clark Kent (o pior repórter do mundo) encontra o Bruce Wayne, já sai rasgando na grosseria "o que tu acha do bully da tua cidade, heim, heim" sem nem dar boa noite. Eu sei que tempo é precioso em um filme, mas fazer os personagens parecerem mais do que ferramentas de roteiro é mais ainda.

HOJE NO CASOS DE FAMÍLIA: Papai é um barão do café,
mas quando eu crescer quero ser o Rei do Gado e vou marcar
os bandidos a ferro.
LIGA DA JUSTIÇA FORMADA EM GRUPO DE WHATSAPP

A Marvel levou seis filmes para contruir a ideia de um universo continuo no cinema, para então culminar tudo em um grande filme de "equipe" de heróis. A DC olhou isso, coçou a cabeça e disse "ah, dá trabalho e eu quero dinheiro agora, comofas\\\" e o tio Snyder disse "xá comigo".

Nesse filme temos a introdução aos heróis da Liga da Justiça e todos aparecem em cenas bem legais. Claro, o Flash é um maconheiro de história da federal, mas fora isso as cenas são bem legais. Qual o problema? Porque parece um padrão aqui que o tio Snyder não vai apenas entregar algo legal, claro que não, né? Tem que ter um porém...

... e porém que a Liga da Justiça é apresentada em um email com anexos de vídeo. Claro, você pode fazer 6 filmes... ou uma cena de 2 minutos (nenhuma cena tem mais que dois minutos nas mãos do nosso campeão doidão de cocaína) em que basicamente é um email do Lex dizendo "olha que doido esses malucos larilarila".

Sério, eu não estou exagerando. Eu teria que ter problemas psiquiátricos muito mais sérios do que os que eu já tenho para conseguir inventar algo assim. A Liga da Justiça foi apresentada em um anexo de email.

Eu vou deixar você absorver o peso destas palavras.

Por algum motivo, Zack Snyder jogou no Google
"quadros famosos de Jesus" e recriou cada cena possível
com o Superman porque na cabeça dele isso é profundidade
e construção de personagem. É. Na cabeça dele.
METROPOLIS, ONDE AS TREVAS SE ESCONDEM

No filme do Lego, o Batman diz que só trabalha com preto e as vezes cinza muito, muito escuro. Era uma piada, obvio. Zack Snyder faz disso seu mantra, mas de certa forma é bom porque quanto menos vermos o filme dele mais felizes seremos.

O diretor gosta de trabalhar sem com duas tonalidades em todas as camadas, mas não da forma que você pode imaginar. As cenas são barulhentas ou SUPER barulhentas. São escuras ou escuras PRA CARALHO. São verborrágicas sem sentido ou parecem que os personagens injetaram Red Bull com cafeína no coração.

O resultado final é que o filme é exaustivo. Tudo é muito, tudo é demais. Sério demais, sombrio demais, explosões demais. Em duas horas e meia de filme há um único sorriso - que é quando a Mulher Maravilha está lutando. O resto parece a obra de um adolescente revoltando que se acha super maduro e adulto porque chutou um cachorrinho na rua, que acha que ser DARQUIIIIII E DU MAUUUUU é sinal de maturidade.

Em uma cena de Trumbo, o roteirista diz ao diretor que ele não pode escrever todas as cenas para serem épicas e fodas porque então nenhuma cena seria, ao que o diretor responde que as escrevesse assim mesmo - ele filmaria algumas desleixadas para equilibrar. Isso é algo tão básico da narrativa, tão primal que me abisma como diretores profissionais como Zack Snyder e Michael Bay  não consigam entender isso. Um filme tem que ter ritmo, tem que saber a hora de subir e a  hora de descer, tem que ser uma conversa com o espectador e não duas horas e meia de berro na sua cara. Esse homem não entende a coisa mais básica sobre direção.

As ideias interessantes do filme (como a cena de abertura, as refencias a Cavaleiro das Trevas ou A Morte e o Retorno de Superman ou o ódio que os humanos tem de tudo que é diferente... mesmo quando esse diferente está salvando seus rabos sem nenhum contraponto negativo) são soterradas por pessoas que não fazem a mais remota ideia de como executa-las em um filme .

- Patrão Bruce, porque tem uma mensagem do Coringa solta
no filme?
- Porque se não ficarmos jogando informações aleatórias
na cara das pessoas o tempo todo elas vão começar a pensar e
perceber que esse filme é uma bosta
Os filmes anteriores do Batman tinham cenas de ação que não faziam nenhum sentido, mas todos os defeitos do Christopher Nolan empalidecem diante da incoerência e adolescência de Zack Snyder - tipo seu Superman que tem o poder de aparatar ao lado da Louis numa cena e na outra não vê o Batman jogando uma granada que até eu vi dois minutos antes. Uma tarefa que deveria ser simples, como dizer em que lugar aquela cena está se passando (Metropolis? Gotham? Tangamandapio?) se torna um esforço mental na aberração produzida por Snyder ao ponto que podemos recordar uma valiosa lição dos filmes do Nolan que Snyder poderia ter utilizado: WHY SO SERIOUS?


Nenhum comentário:

Postar um comentário