quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Star Wars II: O ataque dos Clones (ou o filme que foi cagado pelos fãs)

No ultimo episódio de nossa tauorica saga, haviamos descoberto que Darth Vader era na verdade o antigo mestre jedi Anakin Skywalker e pai de Luke, oh noes! (alerta de spoiler, caso você não tenha assistido os filmes não leia o paragrafo acima).

Mas quem foi Anakin Skywalker? Quem é a figura misteriosa para quem Darth Fucking Vader se curva? Como surgiu o Império maligno cuja malignicidade nunca é claramente explicada na série inteira?

Para responder essas perguntas e muitas outras é preciso viajar no tempo mais ainda, até o longínquo ano de 2002. Voltar para o futuro, taí um bom nome, espero que usem adequadamente para um bom filme um dia...

Seja como for, em 1999 George Lucas havia ressuscitado a franquia Star Wars finalmente realizando os prequels - a começar pelo episódio I: A Ameaça Fantasma. Que é um ótimo filme de Star Wars, tem tudo que um bom filme de Star Wars tem que ter só que com lutas de sabre de luz realmente legais dessa vez. Ainda falarei melhor dele mais pra frente, o que importa por hora é que a reação dos fãs foi quase unanime: "nós detestamos, coroa!".

George Lucas ficou confuso, o que ele havia feito de errado para angariar tanta raiva pelo seu filme? Era Star Wars, pelo amor da Força, o que mais as pessoas poderiam querer?

A resposta que ele ouviu foi muito estranha: "Isso não é Star Wars, é um filme família divertido com um senso de aventura, aliens ridículos, personagens marcantes e coisas legais acontecendo na tela, além de algumas falas bastante icônicas que viraram estandartes da cultura pop".

George Lucas ficou mais confuso ainda: "Bem, e isso não é... sei lá, Star Wars?"

Santa TARDIS, pra que... a resposta dos nerds foi ensurdecedora: "Claro que não, coroa! Star Wars é uma série madura e sombria sobre temas complexos e relacionamentos tão únicos que fariam Hemingway desejar ter descoberto a Pedra Filosofal apenas para voltar a vida e poder se matar novamente de tanta inveja! Star Wars é dark, profundo e sombrio, coroa!"

Eu não sei que filmes os nerds acham que assistiram, mas posso te afirmar que Star Wars é que nunca foi. Nem George Lucas sabia, mas bem, ele decidiu se esforçar para dar aos fãs o que eles queriam... mesmo que não fosse Star Wars, bem, valia a pena tentar agradar o seu publico, certo?

Agora me responda: qual filme de George Lucas é famoso por ser um thriller de investigação noir futurista (tipo Blade Runner), um bom romance ou um épico de guerra (guerra mesmo, com exércitos e armamento pesado e tudo mais). Consegue pensar em algum?

Exatamente, porque George Lucas nunca fez nenhum filme desse tipo, ele não sabe fazer filmes desse tipo tanto quanto o Messi não sabe fazer gols de cabeça e o Ronaldo Nazario não era um exímio cobrador de faltas por melhor atacante que ele tenha sido. E ainda sim George Lucas tentou fazer tudo isso nesse filme porque os nerds agora são grandinhos demais para admitir que um dia gostaram de coisas bobinhas como Star Wars.

O resultado, como não poderia deixar de ser, é um desastre de trem e o Episódio II é facilmente o pior filme de toda a saga. Eu tenho que me esforçar um bocado para achar algo que funcione bem nesse filme, tenho que me esforçar muito para achar algo que funcione bem INTENCIONALMENTE (já que o bom e velho humor involuntário sempre estará lá para nos alegrar)

Em que galaxia ele pegou a mulher do Thor com esse olhar?
O ROMANCE MAIS CREEP DA HISTÓRIA DO CINEMA

Anakin Skywalker conheceu a rainha Padmé (re-eleita como rainha e depois eleita como senadora, não me pergunte como a politica de Naboo funciona) quando ele tinha 10 anos e ela, sei lá, uns 17. Dez anos depois eles voltam a se encontrar e Anakin confessa que não passou um dia sem pensar nela.

Ok, dude, eu entendo. De verdade. Quando seus contatos com o sexo oposto na adolescência são mais raros que o cometa Halley passando em um ano bissexto, é comum você ficar revisitando as microscópicas chances de interação que você teve na sua cabeça de novo e de novo. Claro que é patético e deprimente, mas apenas gente como eu e você (um adolescente gordo loser e um menino monge espacial, respectivamente) entendemos como é.

O problema é que para Padmé a coisa é um pouco mais medonha. Quer dizer, ele era uma criança da ultima vez que viu ele e ficaria muito estranho (para não dizer ilegal em alguns lugares) ela ter pensado nele desta mesma forma.

Fica mais estranho ainda quando os dois começam a se relacionar, porque parece que ela ainda o vê dessa forma e olha para ele com um olhar de remorso de um pedófilo tentando lutar contra suas vontades. Só que o Anakin dá em cima dela tão descaradamente e com tanta frequência que ela passa a impressão de "Ok, eu fico com você, mas para de encher o saco". 
Eu não poderia imaginar menos química em um casal nem que a Stephanie Meyer tivesse escrito isso.

E sabe, quando o Anakin disse que matou os caras que mataram a mãe dele eu consigo entender que a Padme tenha aceitado isso. Mas aí ele disse que matou também as mulheres, crianças e os gatos deles, fica meio difícil torcer por você nesse ponto amiga. O cara é claramente doido de pedra e se você não percebeu isso a essa altura, bem, você meio que mereceu o final que teve.

O PIOR DETETIVE DA GALAXIA

Por um motivo que eu não consigo imaginar a não ser George Lucas tentando ser maduro e adulto, enquanto Anakin e Padme rolam na grama em cenas que me dão uma ânsia de chamar a policia porque não é possível que não tenha uma arma apontada para a cabeça daquela mulher, seu mestre Obi Wan cruza a cidade de Coruscant (o planeta todo é uma única cidade, conceito legal mas nada aproveitado) e a galaxia em busca do responsável pela tentativa de homicídio da senadora Padme.

Eu vou dizer isso e vou dizer apenas uma vez: George Lucas não sabe escrever uma história de detetive. George Lucas nunca leu uma história de detetive. George Lucas não tem muita certeza do que um detetive faz.

Obi Wan teve novas ideias para combater a criminalidade
depois de assistir Jessica Jones
Sério, perto do Obi-Wan como detetive, Jéssica Jones é o fucking BATMAN! Obi-Wan tem a malicia e o jogo de cintura de um cruzado medieval que riu da ideia de gastar pontos de atributo em carisma.

Sua investigação só dá certo porque ele esta perseguindo os piores bandidos da galaxia, o tipo tão ruim que faria a Equipe Rocket parecerem material da continuação de "Quinze homens e uma carrada de segredos" (ou seja lá em que numero estiver essa série agora).

Se liga na qualidade da coisa: após uma perseguição que leva três meses e meio (ou ao menos pareceu, George Lucas também não sabe escrever cenas de perseguição urbana), Obi Wan descobre que estava perseguindo um metamorfo. Felizmente era um com péssima memória e esqueceu que podia mudar de forma e apenas sair caminhando depois de cruzar uma esquina.

Seja como for, o jedi pega o/a/it safado/a/aum e o mesmo é misteriosamente assassinado antes de falar qualquer coisa. Ok, espera aí, para um pouquinho: pelo que o filme mostra, o assassino era sublocado de modo que ele provavelmente não saberia nada a respeito. Quer dizer, é um assassino de aluguel do submundo, não é como se ele ganhasse a vida fazendo perguntas demais para seus empregadores - essa é a razão pelo qual você contrata esses caras em primeiro lugar.

Foi o exato efeito que esse filme teve em mim
Só que para a sorte de Obi Wan o dardo venenoso com o qual o assassino foi morto revelava mais informações do que o sujeito possivelmente teria como saber (devia estar escrito "Produzido na Zona Franca de Manaus" ou algo assim). Que sorte, heim senhor Jedi?

Mas não acaba aí: Obi Wan então segue até o planeta de onde veio o dardo (através de uma das melhores cenas do Yoda na trilogia nova, uma das poucas que ele parece o maluco sabio do pântano de Dagoba quando esta ensinando as crianças).

Para sua surpresa nesse planeta o assassino era o de menos: os aliens dali estavam criando um exercito de clones a mais de dez anos para a Republica lutar na guerra que iria começar a qualquer momento. E já estava tudo pago, cortesia do mestre jedi Sipho-Dyas. Sem brincadeira, o nome do cara era sifodias mesmo.

Aí eu te pergunto: quem é que faz a contabilidade de Republica? Cade o tribunal de contas dessa porra? Como é que, exatamente, desaparecem trilhões de créditos (criar um exercito inteiro de clones não é barato) e ninguém nunca perguntou para onde? Como? Pq? Uai?

"Então aqueles 100 trilhões que sumiram do orçamento da
Republica não foram para comprar novos assentos de privada?"
"Famosas as pedaladas de Darth Dilma se tornaram"
Simplesmente um exercito com todas as despesas pagas cai do céu, assim.

Você poderia achar que isso seria importante para Obi Wan, mas ele é um homem simples e quase esquece de mencionar isso para o conselho jedi. "Sim, encontrei uma pista do assassino e vou segui-lo, depois eu ligo com mais informações. Tcha... ah é, e nós temos um exercito de clones já pago, ia esquecendo de avisar"

Obi Wan coloca um rastreador na nave do assassino, mas mesmo assim tem que segui-lo de perto porque ele é o pior detetive da galaxia e queria mesmo era ter colocado uma bomba (jogou o disco errado), pq obviamente ele não entende o conceito de usar um rastreador.

Tudo isso que eu falei poderia ter sido ótimo, fosse feito no estilo Star Wars - já que a trama por si só é uma comédia de erros que desafia o bom senso. Mas infelizmente George Lucas estava comprometido com a ideia de "tenho que ser sério e adulto" para agradar os fãs, e a passagem toda é recheada de ação chata com tanto humor e pausas corretas para respiro quanto um filme da DC.

DE ADULTOS PARA ADULTOS ATRAVÉS DE ADULTOS

George Lucas se esforça o máximo que pode para que suas cenas de ação sejam o menos divertidas e mais sérias possíveis, porque é isso que os garotos acham legal hoje em dia, no que ele tem absoluto sucesso. Tirando uma escapadinha aqui e outra ali (tipo as cenas do R2, que é o grande herói da série e ninguém fode com ele), são raros os momentos de ação que te mantém acordado.

"E foi assim que seu pai morreu, Luke, tentou ficar em pé
em um carrapato gigante. Desculpe ter mentido, a coisa da
guerra era menos vergonhosa"
Parte disso se deve ao péssimo uso da computação gráfica. Não vem me dizer que é coisa da época porque Jurassic Park é DEZ ANOS mais velho e passa a sensação de realismo, de que as pessoas estão interagindo com alguma coisa. Aqui a produção é tão ruim que os atores humanos não sabem nem para onde olhar quando contracenando com o fundo verde no qual será inserido um alien computadorizado ali depois.

Mas hey, é o que os fãs queriam, certo?

Sem aliens bobos, sem mortes servindo de alivio cômico, sem idiomas nonsense, a mocinha da história fica sem metade da blusa e sangra. Uou, tanta maturidade, tão dark, tão profundo, tão sonolento, me parece exatamente o tipo de filme que os fãs queriam.
Enquanto são incriveis em um duelo, uma guerra com sabres
de luz é apenas idiota. Olha isso, parece uma rave com todo
mundo com seu pauzinho luminoso na mão.

Eu, por minha vez, preferia ter ficado com as patetices família de Star Wars. Imagino que George Lucas também, porque até hoje ele não entende em que momento as pessoas pararam de gostar de Star Wars - até aceita, mas claramente não entende.

NEM SÓ DE VAI TOMAR NO DOOKU VIVE O FILME

Tudo isso dito, tem algumas coisas que eu gosto nesse filme. As cenas do Yoda são bem legais, tanto ele como professor na escola como ele lutar. Alias aqui é a primeira vez que apareceu o Yoda lutando e é uma cena ótima, o conde Dooku está todo "rá, não vou competir na Força contra o Yoda pq não sou louco, mas vou chamar esse Muppet no braço porque olha o tamanho e a idade dele, o que pode dar errado? Tá no papo!"

O resultado é esse:




Hehe, isso foi legal.

Outra coisa que eu gosto muito, e de longe é uma das melhores coisas da trilogia nova, é que o senador Palpatine sobe ao poder. O que eu mais gosto é que o plano dele é muito bom e faz sentido para o senado nomeá-lo como "chanceler supremo de poderes emergenciais" enquanto durar a guerra. é um plano inteligente e funciona, nem mesmo os haters da trilogia nova falam mal disso.

 
C3PO tem uma participação apagada, porque o filme tem que ser sério e sombrio, mas isso não o impede de ter a melhor fala do mordomo britanico amarelo em toda a saga

Adicionalmente é muito legal ver a Republica ir gradualmente se transformando no Império como o conhecemos. Aquele exercito de clones com armadura branca? Já vi algo parecido em algum lugar. Os cruzadores de batalha em forma de triangulo? Sim, parece familiar com alguma coisa... (embora porque a frota estivesse estacionada no patio do senado é algo que está alem de mim, não é como se fosse uma cidade pequena...)


"Senhor, Jedis são conhecidos por facilmente darem saltos
de 5m, talvez executa-los amarrados dessa forma não tenha
sido a mais feliz das escolhas."
Para ilustrar isso, em um momento inspirado (mas pouco apreciado) John Williams começa a transformar o tema da Republica sutilmente na Marcha Imperial clássica mas então dá uma escorregada para o tema da Republica de novo. Lindo. O filme certamente faria melhor em usar mais cenas assim.

Por incrível que pareça, eu também gosto bastante do Anakin nesse filme. Sim, ele é impulsivo e temperamental, e parece se apegar demais a coisas que ele conhece muito pouco. Mas sabe o que mais ele parece? Um maldito adolescente, porque é o que ele é, oras!

Toda as coisas importantes para o personagem estão lá - a arrogância, o poder, a ideia de que uma ditadura não é ruim se for o que resolver o problema (melhor cantada para usar com uma senadora, fikadika) o cabelo ruim - mas acima de tudo esta que ele é só um adolescente confuso com raiva das figuras paternas de autoridade porque, adivinha só, é o que adolescentes fazem!


Shazam, caralho! Para de ficar olhando com cara de abestado
e saí de baixo seu gordo da porra que tá pesado!
Então sim, ele é um resmungão chato do caralho - mas ele tem razão em ser um saco, faz sentido. Claro, você pode questionar se Star Wars seria o melhor lugar para representar tão fielmente um adolescente instável, mas já concordamos que o proposito desse filme é justamente ser o menos Star Wars possível.

O que consegue com todos os méritos e não obstante isso não consegue fazer bem nada ao que se propõe. Não é a toa que é o filme mais chato de toda série, porque isso é o que acontece quando você dá aos fandoms o que eles querem.


Nenhum comentário:

Postar um comentário